Publicidade

quinta-feira, 24 de junho de 2010 Ações, Investimentos, Mercado financeiro | 17:47

Perspectivas para as ações da Petrobras

Compartilhe: Twitter

O vai-não-vai do lançamento de ações da Petrobras para capitalizar a companhia, dando-lhe condições de explorar as reservas do pré-sal, está preocupando os pequenos investidores, que não sabem o que fazer diante das fortes oscilações das ações da empresa nos últimos dias.

As perspectivas para o papel no longo prazo continuam bastante positivas, dizem os analistas de mercado. “Existe uma tendência de elevação dos preços do petróleo ao longo dos anos”, diz Marco Saravalle, analista da corretora Coinvalores. “E as reservas do pré-sal são um ativo valiosíssimo. Em nenhum outro lugar do mundo espera-se encontrar jazidas desse tamanho.”

Até o final do ano, entretanto, o movimento das ações continuará testando o sangue-frio dos investidores.

O impasse sobre a nova emissão deve durar no mínimo até setembro. E os especialistas sugerem que, quando finalmente sair a operação, os pequenos investidores adquiram um pouco mais de papeis para ao menos manter a sua parcela de participação na companhia. Como o número de ações será expandido, quem não comprar mais terá a sua porcentagem diluída. Pelas contas dos analistas, o investidor vai ter que aumentar a sua fatia em 30% ou 40%.

“No curto prazo, o retorno da ação da Petrobras deve continuar abaixo da do índice Ibovespa, até porque o clima internacional ainda não está bom. A recomendação é de muita cautela”, frisa Saravalle.

“Somente quando houver uma definição sobre a operação e a própria exploração do pré-sal, como os preços dos barris, a oscilação pode diminuir”, completa Victor Figueiredo, analista do setor de petróleo da corretora Planner.

Ele lembra, ainda, que os resultados da Petrobras ficarão enfraquecidos até que a extração de óleo do pré-sal efetivamente comece –até lá, a companhia vai ter que investir pesadamente, mas o retorno só vem depois de 2014. “A fim de crescer, a companhia tem que aumentar os seus gastos com equipamento e pessoal. Os frutos demoram um pouco, porém”, explica Figueiredo.

Autor: Tags: , , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios