Publicidade

terça-feira, 6 de julho de 2010 COMO FAZER, Direitos, Direitos do consumidor, Planos de saúde | 13:00

PASSO-A-PASSO: Reclamar de problemas com o plano de saúde

Compartilhe: Twitter

1 – Assim que detectar qualquer problema, procure informar-se sobre os seus direitos. Não se deixe intimidar pela operadora, mesmo que a empresa diga que está tudo certo

2 – De posse do contrato de prestação de serviço, assinado no momento da adesão ao plano, busque uma entidade de defesa do consumidor, como o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e a Pro Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor).

3 – Se realmente houver uma irregularidade ou desrespeito às regras vigentes, reúna as provas necessárias, muna-se também dos trechos da lei que protege o usuário, e tente negociar com a prestadora

4 – Caso não haja conversa, peça a intermediação do Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor)

5 – Denuncie o ocorrido à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) para que o órgão fiscalize a atuação da operadora

6 – Como última alternativa, acione um advogado para levar o caso à Justiça. Dependendo da gravidade da situação, é possível até obter uma liminar que obrigue ao atendimento médico no mesmo dia, e posteriormente se discute o mérito da causa

LEIA MAIS:
Idec realiza palestra gratuita sobre planos de saúde
Reajustes e cobertura são principais reclamações sobre planos de saúde

Autor: Tags: , , , , ,

26 comentários | Comentar

  1. 6 Luiz Menezes 06/07/2010 19:51

    Por curiosidade solicito à querida Denyse e aos demais comentadores que cliquem numa Golden Gross, Unimed, Amil e etc. e verifiquem as centenas (muitas centenas) de tipo de planos existentes, cada um mais complicado do que o outro. Mas quase todos para o mesmo tipo de atendimento com os mais variados preços. Tudo para confundir, incluindo no contrato itens diferentes, detalhes incompreensíveis. É assim que estas todas operadoras fazem o que querem, respaldadas pela ANS, quiçá orientadas pela própria Agência.

    Responder
  2. 5 Luiz Menezes 06/07/2010 19:32

    Prestem bem a atenção: eu tenho um plano de saude, minha mulher de outro plano, minha filha tem outro plano, meu filho tem outro plano, meus netos tem outros planos. No entretanto eu tive um reajuste, filha outro reajuste diferente, enfim, cada um plano teve reajustes diferentes. Os atendimentos médico-hospitalar são idênticos, isto é, os direitos são os mesmos. É possível isto acontecer sem nenhuma providência governamental, lei federal, Ministério Público, Policia Federal…. As Agências Reguladoras(todas elas) são suspeitas como bem disse o Oscar em comentário acima. É uma verdadeira bagunça. Porque planos antes de 1999 e depois de 1999? Os consumidores são os mesmos, os médicos e clinicas que atendem são os mesmos. O governo federal não faz nada porque acha que quem tem plano de saúde é rico, o que não é verdade. O povo não tem saúde de graça em condições. SOCORRO! Mas dirigido a quem a nossa angústia?

    Responder
    • Denyse Godoy 06/07/2010 19:45

      Bem, estamos em ano de eleições presidenciais… É uma boa ideia cobrar dos candidatos um posicionamento firme sobre esse assunto.

  3. 4 oscar noguchi 06/07/2010 18:11

    Em 2006 aderi a um plano empresarial(pequenas e médias empresas) da Medial.Fui surpreendido agora com um reajuste de 35% . Isso vem ocorrendo com vários contratos, principalmente os ligados à Amil. Não há a menor justificativa.Não há condições de se travar qualquer diálogo com a operadora. Os telefonemas não são atendidos. Já tentei 5 vezes e nada. A ANS não apóia o usuário pois diz que contratos desse tipo estão livres para reajustar quando e como quiserem. A ANS tem em seu quadro ex-executivos de operadoras de planos de saúde. Precisa dizer algo mais? Isso ocorre em todas as agencias reguladoras. O que podemos fazer? Não adianta ir ao Idec, Procon…ou seja, estamos nas mãos de Deus. Se a imprensa não nos ajudar vamos não sei quem o fará.

    Responder
    • Denyse Godoy 06/07/2010 19:30

      Sim, Oscar, muitos usuários que possuem pequenas ou médias empresas estão sendo surpreendidos com esses aumentos. Logo publicaremos uma matéria a respeito.

  4. 3 Carlos Arthur 06/07/2010 17:48

    Paga um plano para meu filho desde que nasceu, já se fazem quatro anos!
    Começei pagando R$ 51,00 reais já se hoje to pagando R$63,00 reais!
    A questao é quando ele tiver 10 anos vou pagar um valor maior do que se tiver feito um plano com ele na idade de 10 anos.
    Tem alguma lei que nos proteja desses obsurdos de aumento.(ou um menor aumento)
    Pois já teno quatro anos de plano no mesmo instituiçao!
    e-mail: arthurfernandes99@hotmail.com

    Responder
    • Denyse Godoy 06/07/2010 17:52

      O senhor deve procurar as entidades de defesa do consumidor para se informar sobre os seus direitos.

  5. 2 giba ergas 06/07/2010 17:03

    meu plano é anterior a 1999-era o top´dos planos da SERMA (executivo apto.) e foi extinto.
    os melhores hospitais e laboratórios foram cortados pago R$857,46 mensais .
    e tenho direito(sic) ao mesmo atendimento do plano VIP OURO II APTO da Serma´com
    mensalidade de R$ 520,70.que faqço c/ estes estelionatas?

    Responder
    • Denyse Godoy 06/07/2010 17:53

      O melhor a fazer é procurar as entidades de defesa do consumidor para se informar sobre os seus direitos.

  6. 1 Valter Arume 06/07/2010 15:32

    Possuo um Plano de Saúde pela empresa em que trabalho, gostaria de saber se acupuntura faz parte do atendimento básico pelos planos de saúde, e caso o plano negue atender este tipo de procedimento, como devo proceder?
    Agradeço desde já pela informação.

    Responder
    • Denyse Godoy 06/07/2010 16:19

      Sim, sessões de acupuntura fazem parte do rol de procedimentos que as operadoras devem cobrir segundo a ANS –lista válida para planos feitos a partir de 1999. Para reclamar, siga as recomendações listadas na matéria.

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. Última
  6. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios