Publicidade

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010 Comportamento, Consumo, Família, presentes | 05:59

Gorjetas e caixinha de final de ano: dar ou não dar, eis a questão

Compartilhe: Twitter

                                                                                                                                            Ilustração: Altovolta 

O Brasil está mais próximo da Europa do que dos Estados Unidos quando o assunto é a remuneração de profissionais como garçons, manobristas, empacotadores de compras de supermercado, cabeleireiros, faxineiras.

Enquanto os consumidores americanos cultivam o forte hábito de complementar os valores devidos pelo serviço com uma gratificação proporcional à qualidade do trabalho, os europeus geralmente acham que o justo é pagar o que está sendo cobrado e pronto –até porque, muitas vezes, sobre as contas incidem taxas obrigatórias destinadas a recompensar o profissional, como acontece em bares e restaurantes.

No país, a visão é muito semelhante a essa também.

“Não que o brasileiro não valorize o empenho do profissional que lhe serve –é uma questão de tradição mesmo. E montantes que superem o valor do serviço ou os 10% da gratificação compulsória são vistos como excessivos”, explica Ricardo Antunes, professor titular de sociologia do trabalho da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e autor dos livros “Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho” (Editora Cortez) e “Riqueza e miséria do trabalho no Brasil” (Editora Boitempo), entre outros. “Dar gorjeta depende bastante, ainda, do estabelecimento comercial de que se está falando. Certamente, haverá uma distribuição maior de caixinhas em lugares freqüentados pelas classes médias e altas.” E, se o prêmio sempre foi visto como pesado demais para o bolso do consumidor médio, até se espera que, com a melhoria das condições econômicas nacionais recentemente, a generosidade cresça um pouco.

Tais reflexões surgem costumeiramente nesta época do ano junto com as caixinhas e listas de gratificação que se multiplicam por padarias, portarias do prédio em que se vive e do escritório, postos de gasolina, estacionamentos e salões de beleza. Estão em toda parte.

Entretanto, ninguém deve se sentir forçado a colaborar. Menos ainda por julgar que algumas categorias são desfavorecidas. “Os patrões depreciam os salários considerando que a diferença será coberta pela clientela, mas não se pode compactuar com esse estratagema”, diz Antunes.

Os principais critérios para selecionar os agraciados com a caixinha especial de final de ano são, basicamente, o grau de proximidade com o prestador e, claro, a sua eficiência. Executar um bom trabalho é obrigação contemplada pelo salário, porém as doses extras de boa vontade dispensadas podem ser reconhecidas com um premiozinho.

Quanto aos valores, não existe uma regra. “A gratificação pode vir na forma de um arredondamento no último encontro do ano, por exemplo”, sugere a consultora em etiqueta e marketing pessoal Ligia Marques. “Colocar o dinheiro em um envelopinho fica mais elegante caso se queira  presentear fora de uma lista.” Dar o bônus em espécie é interessante porque deixa o trabalhador à vontade para usar o montante da forma que desejar. No entanto, escolher um bom panetone, uma bebida ou uma cesta de alimentos da época é uma bela saída se não há intenção de oferecer quantias muito elevadas.   

A verba para essas gorjetas deve fazer parte do orçamento de Natal da família. Limitando o total que se pode despender, fica mais fácil dividir os montantes entre os prestadores queridos.

Quem são os prestadores de serviço que você gratifica no final do ano? Deixe um comentário!

LEIA MAIS:
Seguro residencial de verão: contra chuva e roubo
Expo Money Virtual promove palestras e dá consultoria financeira na internet
Panetone sobe 10% em um ano em SP, e produtos da ceia têm diferença de até 93% em supermercados
Após renegociação, dívida com banco é congelada, mas não extinta
Procon-SP começa hoje a ajudar os consumidores superendividados
Proteja-se dos golpes dos piratas virtuais ao fazer compras na internet
Patrocine um filme: apoie uma ideia e deduza sua contribuição do imposto de renda
A sua inflação pessoal
Pode valer mais a pena alugar um carro do que comprar
Sete respostas para as suas dúvidas sobre o 13o. salário
Cinco maneiras de aproveitar o dólar barato
Qual bicho de estimação é mais caro manter, gato ou cachorro?
Anac proíbe o que já era proibido
Abatimento de despesas médicas no imposto de renda em 2011 pede atenção redobrada
Final do ano é oportunidade para equilibrar as contas da casa de praia

Autor: Tags: , , , ,

10 comentários | Comentar

  1. -30 fILÓ 23/12/2010 23:03

    Meu segundo emprego foi em um estacionamento e eu ganhava muitas mas muitas gorjetas! Como era bom ! Agora, graças a Deus não preciso mais. Mas sempre que posso dou gorjetas pois sei que são importantes SIM. E sempre capricho nas caixinhas de Natal.
    Denise, é sempre bom ler sua coluna, um Bom Natal e um Feliz Ano Novo a você e seus leitores.
    Maria Filó

    Responder
    • Denyse Godoy 24/12/2010 18:09

      Oi, Maria!
      Muito obrigada pela audiência e pela participação na coluna durante este ano! Um ótimo Natal pra você e pra sua família, e que 2011 seja repleto de boas surpresas!

  2. -31 Carlos 22/12/2010 17:57

    ACHO ABOMINAVEL A TAL DA CAIXINHA DE FIM DE ANO. O MESMO SE REFERE AO CHAMADO “LIVRO DE OURO ” . TODO FINAL DE ANO A VELHA POSTURA DE MENDICÂNCIA : CAIXINHA PARA OS PORTEIROS DE CASA E DO ESCRITÓRIO, CAIXINHA PARA O CARTEIRO, PARA O ENTREGADOR DE JORNAL, PARA O ENTREGADOR DA REVISTA SEMANAL, PARA O ENTREGADOR DE PIZZA, ETC . PARECE NÃO HAVER LIMITE AOS APELOS DE REMUNERAÇÃO EXTRA DE FINAL DE ANO.

    Responder
  3. -32 Inhok 20/12/2010 0:31

    Aqui só tem pão duro gente? Tá cheio de coração negro e peludo, credo! Para começar, caixinha é só uma vez por ano, R$ 1,00 não faz falta a ninguém, se você perde, você reclama mas depois esqueçe, quem nunca lavou dinheiro no bolso da calça? Outra coisa, eu gostaria de receber e você? Mais uma… você não precisa sair com uma mala de dinheiro e sair distribuindo por aí, só doe em um lugar… pronto, sua boa ação já está feita! Feliz natal a todos!!

    Responder
  4. -33 junior 19/12/2010 20:25

    EU PENSO QUE CAIXINHA DEVE SER DADA EM TROCA DE ALGUM TIPO DE SERVIÇO
    PORQUE É RIDICULO AS PESSOAS PEDIREM DINHEIRO POR UM SERVIÇO ONDE ELAS
    JA SÃO REMUNERADAS
    NÃO FAZEM NADA DEMAIS PARA NINGUEM A NÃO SER PRESTAR UM SERVIÇO OU SEJA
    NÃO FAZEM NADA ALEM DA OBRIGAÇÃO
    ELAS QUE PEÇAM AOS SEU CHEFES OU PATRÕES

    Responder
  5. -34 jose 19/12/2010 12:55

    Olha, em se tratando de caixinha de natal, acho que os garis, aqueles que recolhem nossos
    lixos e os carteiros, são os que mais merecem, pois trabalham pra burro; com fortes chuvas
    e etc., mesmo recebendo salário, décimo.
    Sou á favor sim de conceder a caixinha pra eles, mas desde que trabalhem bem o ano todo,
    não só em dezembro…

    Responder
  6. -35 sergio 19/12/2010 9:00

    sou totalmente contra algumas caixinhas, como coletor de lixo e os varredores da rua, afinal eles tem salário, 13o como todo mundo, e em alguns casos somente aparecem nesta data, fazendo cara feia quando não dou, qual o motivo de desta caixinha,?é o serviço deles e só..

    Responder
  7. -36 nelson 19/12/2010 8:46

    eu acho que merece caixinha e somente os lixeiros e o carteiro,,,devido que recebem uma miseria de salario esse valor amais e para complementar suas contas de natal qto a eles eu sou a fvor………………….nelson

    Responder
  8. -37 Rosangela 19/12/2010 0:31

    Costumo dar caixinha para o coletor de lixo … acho merecedor, eles trabalham muito …sei que eles têm salario e 13º terceiro, mas o que importa é o sentimento de agradecimento por estar todos os dias nos servindo.

    Responder
  9. -38 antonio 19/12/2010 0:25

    Nunca vi uma concordancia tão grande nas respostas. Esta é nossa gloriosa elite. Uns dizem que preferem serem cobrados justamente. Mas são cobrados sim justamente, o problema é que as caixinhas não são para os patrões e sim para reforçar o tão desvalorizado salário que a maioria dos trabalhadores recebe. A gorgeta, a caixinha deve ser expontanea e não existe um valor, fica a critério de cada um. Culturalmente nos EUA o trabalhador não precisa pedir, aqui se pede porque se não fizer quase ninguém dá. Eu dentro de minhas possibilidades colaboro sim, com pouco é obvio mas não é só no natal não. Um exemplo é o carregador de supermercados. Moro em cidade pequena e o maior supermercado que tem o patrão faz seus carregadores trabalharem até 12 horas por dia por 1 salario minimo de salário (não tem horas extras, fazem banco de horas) e não me custa dar 1 real pelo menos a cada vez que vou lá. Há podem me gozar é só 1 real mas se cada um desse esse valor estes carregadores suportariam bem mais contentes as 12 horas de trabalho.
    Para completar digo que dia 25 se comemora o nascimento de Jesus. Seu Pai o enviou aqui para mostrar para os seres humanos o caminho do bem, mas pelas respostas que vi aqui pelo jeito não adiantou nada.
    Feliz Natal para todos.

    Responder
  10. -39 sergio 18/12/2010 22:52

    Eu acho muito legal dar caixinha.
    2,5 ou 10 reais não vai fazer falta pra ninguem.
    Vamos deixar de ser pãoduros.
    Se você abrir a mão, você também vai receber!
    É muito bom ver as pessoas Felizes

    Responder
  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última
  8. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios